Vem aí o volume III, o livro vermelho!
mar05

Vem aí o volume III, o livro vermelho!

Tudo indicava que a quarta-feira de cinzas seria isso que o nome já diz: uma quarta-feira perdida, cinzenta, nem preta nem branca, nem alegre nem triste, morna e sem graça, com Gerrá de ressaca, eu me curando uma virose que me lascou bem no carnaval (sim, estava na Minha Cobra, mas sob efeito de um doping federal) e Samarone na estrada indo babar o sogro em Garanhuns. Eis que chega a notícia: O volume III da Trilogia das Cores, vulgarmente chamado de Livro Vermelho, está pronto, tinindo, com cheiro de pão novo saindo do forno. Não sei se os caras da gráfica deram duro no carnaval ou ele ficou pronto a semana passada e só avisaram hoje. Acho que a segunda opção, mas isso não tem importância nenhuma e nem sei porque levantei essa dúvida besta. Prossegue o caminho na roça. A Paixão é vermelha – este é o nome de batismo do terceiro volume da coletânea de crônicas do blog – será lançado no domingo 16 de março, a partir das 15h. A farra será, mais uma vez, no bar Mamulengo, na praça do Arsenal, quase na frente da famosa torre de Malakoff. O livro vermelho tá cheio de novidades em relação aos anteriores. Pra começar, como organizamos a trilogia cronologicamente, esse volume inclui os textos publicados de 2011 a 2013. Deu pra entender ou carece de uma explicação mais detalhada? tricampeonato, duas subidas de série, só alegria. Além de um pequeno ensaio fotográfico do senhor Fred Jordão, retratista tricolor respeitadíssimo no mundo das lentes, cliques e filtros de Pernambuco, o prefácio é um luxo só. Tal qual no volume II, quando Homero Fonseca abriu os trabalhos e acabou escrevendo o melhor texto do livro, desta vez fomos buscar reforços em São Paul0. O cineasta Ugo Giorgetti (aquele mesmo do artigo no Estadão após o jogo contra o Betim) foi quem fez o texto de abertura. É mole? Outro dia eu conto essa história aqui. Quem quiser ainda terá a opção de comprar o livro com o CD da Minha Cobra encartado. Ah, os outros dois volumes estarão à venda também. Para encerrar a conversa, quem levar o convite impresso, ganha 10% de desconto no preço de capa. Quem não receber o convite de papel, basta fazer o download e imprimir esse que publicamos aqui nesta postagem que dá na mesma. Então, ficamos assim: Bar Mamulengo, 15h de domingo, 16 de março (o jogo do Santa será no sábado contra o Porto, ou seja, não vai atrapalhar nada). O preço do livro sem desconto é 50 contos.  ...

Leia Mais

O drible

Para ajudar a relaxar nesta semana que só vai acabar daqui a 3 anos, uma sugestão de leitura do Blog do Santinha em transmissão conjunta com o Caótico. A descrição do drible de corpo de Pelé no goleiro uruguaio Marzukiewicz que abre O drible, de Sérgio Rodrigues, tem tudo para ser citado exaustivamente sempre que literatura & futebol for tema de debates, oficinas, artigos, mesas redondas e coisas e tais. Rodrigues acertou a mão e construiu uma abertura inesquecível para seu romance. Se Pelé foi responsável pelo lance mais imprevisível do futebol, jamais um gol perdido foi descrito com tamanha beleza. Ao menos nos parágrafos iniciais do livro, Sérgio Rodrigues esteve à altura de Edson Arantes do Nascimento. Só um aperitivo: “Congelada, a imagem do velho videoteipe fica distorcida. Parece que o negro de camisa amarela e o branco todo de preto vão colidir, quem sabe se fundir, feixes luminosos tentando esquecer que um dia foram carne”. A pegada segue firme ao longo de todo romance. Tabelando com Didi, Garrincha ou Vavá, Sérgio Rodrigues conta as idas e vindas de Neto para curar inúmeras feridas e aproximar-se do pai, um outrora famoso cronista esportivo amigo que fez fama e fortuna durante a ditadura militar. Ao longo do romance, figuras reais como Nélson Rodrigues, seu irmão Mário Filho e Millôr Fernandes reencarnam para interagir com o protagonista Murilo Filho. As aparições dos monstros sagrados da crônica e do jornalismo ocorrem em flashes, coisa rápida o bastante para garantir verossimilhança e encantamento, sem risco que algum deles tome conta do livro. Fez bem o autor. Com gente desse porte, não se brinca. Se o pai do protagonista bate-bola com Nélson Rodrigues, o personagem do livro de memórias cujos rascunhos ele entrega para o filho Neto revisar, um jogador quase sobrenatural chamado Peralvo, bate-bola com sua-majestade-o-rei-do-futebol. A prosa leve de Rodrigues, que já foi capaz de garantir uma narrativa instigante em Elza, a garota, desta vez soma-se a um maior domínio técnico – bendita seja a experiência. Em nenhum momento, o leitor desgruda-se da trama. Nada é precipitado, a cortina vai se abrindo aos poucos, num ritmo sedutor, de um jeito tal que dá gosto ter O drible na bolsa para, de vez em quando, abri-lo, ler quatro ou cinco páginas e, em seguida, guardá-lo com calma esperando o silêncio, o sossego e o momento para retomar a leitura. A história dos desencontros dos Murilos, Filho e Neto, é narrada por uma terceira pessoa tão discreta, discretíssima aliás, que suavemente se revela tão falsa quanto a intenção de Pelé ao correr para receber a bola de Tostão diante da grande área uruguaia....

Leia Mais