É pau na leoa!
abr30

É pau na leoa!

Meus amigos tricolores, ainda estou meio bêbado de ontem. Foi muita cana e muita alegria. Vamos deixar política, crise, incompetência, falta de transparência, repetição tática e ruindade do meio de campo um pouco de lado e falar do que interessa agora: nossa vitória! É muito bom, muito bom mesmo – quase um orgasmo transcendental – ganhar do Do Recife. Eu repito sempre que esse timeco coisado não mete medo em ninguém. São fraquinhos e só têm goga. O melhor de tudo são os memes e as gozações que bombam nas redes sociais e no zapzap. Um amigo me mandou uma musiquinha: “Chegando lá na Ilha do Retiro, a cobrinha vai mais uma vez enrabar… essa leoa… que gosta de pica… e vamos todos juntos celebrar”. É greia. Greia geral. E essa greia toda só foi possível por causa da mística que envolve o clássico e a superação contínua que o Santinha sempre mostra nessas situações. Finalmente a bola chegou lindamente em Pitbull. Que lance magistral. Que categorial inesperada de André Luís. E que comemoração zoada de Pitbull. O cara só faltou cuspir naquela bosta de escudo. O nosso time levou pressão no primeiro tempo e Jacsson fez uma defesa espetacular. Estou na dúvida quem é melhor: ele ou Júlio César. O primeiro gol foi uma boa troca de passes. Thomás soube cruzar na medida e Léo Costa não deixou passar. Golaço! Depois teve aquela enrolação de Diego Souza e o árbitro caiu. O bom é que, estranhamente, levamos um gol naquilo que somos melhores: bola parada. Por fim, meus amigos, veio aquela pintura que citei antes. André Luís passa por três marcadores em diagonal – uma coisa que sempre falei aqui – e Pitbull, quando a bola chega, é Pitbull. Pega essa porra!!! E porrada na cara da leoa. Linda a camisa de Eutrópio. Vestiu o espírito tricolor. Isso é muito importante e faz toda a diferença. Quarta-feira que vem será semana de prova na faculdade. Isso significa que às 20h30 estarei largando. Ou seja, irei correndo direto para o Arruda. E podem vir os baianos e a porra toda. Vamos estraçaiar. É muita alegria. Não quero nem pensar em crítica ou seja lá o que for para não estragar o momento. Agora é só comemorar e esperar ansioso o jogo da quarta. “Chegando lá na Ilha do Retiro, a cobrinha vai mais uma vez enrabar… essa leoa… que gosta de pica… e vamos todos juntos celebrar”. É muita onda, papai! Quem é o papai da cidade? É o Santinha, sim...

Leia Mais
Greve Geral e Futebol
abr28

Greve Geral e Futebol

A década de 70 viu o florescimento, crescimento e consolidação das teorias neoliberais de Friedrich von Hayek e Milton Friedman. A teoria se tornou prática com a ascensão de forças conservadoras e liberais ao poder: Ronald Reagan, Helmut Kohl e, especialmente, Margaret Thatcher. A ideia central era desregulação, privatização e abertura comercial. Com a crise do capitalismo à época, a aposta neoliberal esmagou os sindicatos e retirou o poder dos trabalhadores com a flexibilização da legislação em favor do Capital. O poder de compra do trabalhador despencou. Solução: engenharia financeira. Os cartões e as linhas de crédito, bem como o endividamento do trabalhador, se multiplicaram. O mercado de capitais começou a ganhar proporções alarmantes e ditar o ritmo das economias do mundo. E os países da América Latina tiveram que ceder e obedecer a esse ditame anglo-saxônico. São famosas as cartas de Friedman e Hayek para Thatcher. Para controlar os trabalhadores e garantir os lucros dos capitalistas, Hayek sugere que Thatcher adote as medidas recessivas e agressivas da América Latina. A resposta da Dama de Ferro: “Mas aqui, na Inglaterra, o povo é mais consciente”. O que dizer, então, das manifestações dos franceses contra a perda de direitos hoje em dia e que a GloboNews e a Veja nem sequer mostram? Esse mesmo neoliberalismo bateu a porta de nosso país. Interessante que até mesmo o próprio FMI – Greenspan e companhia – afirmou recentemente que essa nova onda de neoliberalismo causará ainda mais desigualdades sociais. Mariana Mazzucato – no livro Rethinking Capitalism – chega à mesma conclusão. Mas ao bater em nossas portas, as estratégias foram ainda mais agressivas. Os antigos Atos institucionais se transformaram em PECs. Sem discussão com a sociedade, fizeram votações esdrúxulas numa rapidez alarmante. Para variar, os trabalhadores vão sair perdendo. E muito. Reformas que poderão acentuar, ainda mais, o crescente processo de favelização de nosso amado país. Basta ler Paul Mason (Pós-Capitalismo) e Domenico Losurdo, (Liberalismo) para entender que isso não é brincadeira. Por isso, o Blog do Santinha – os que escrevem e os que escreveram aqui – apóia plenamente essa Greve Geral de hoje. Ou vamos para rua, ou iremos perder direitos importantíssimos. Se duvida, busque no YouTube: Entrevista com Benjamin Steinbruch de 2014. Esse senhor foi o antigo presidente da Fiesp e defendia a perda quase que geral dos direitos trabalhistas. Profecia que está se realizando em 2017. Não é de se estranhar que o senhor Rodrigo Maia queira acabar com a Justiça do Trabalho. Atrapalha demais os capitalistas desse país quase medieval. Foi essa mesma engenharia financeira que modificou, a partir das décadas de 70 e 80, a feição do...

Leia Mais
A festa é nossa
abr26

A festa é nossa

Esse negócio de zap é uma invenção fantástica. A gente não precisa mais marcar reunião, nem encontros, pra discutir as coisas. Pra falar da vida dos outros, é só ir lá whatsapp escrever ou mandar um aúdio gravado. Estou eu aqui, fazendo umas coisas banais e eis que um amigo me manda um áudio. Abaixo dele uma mãozinha apontando pra cima e uma mensagem: “escuta aí. Tu vai gostar.” Esse colega meu tem crédito. Não é daqueles que vive mandando leseira e piada sem graça. Pois bem, abri o áudio. Era um cabra todo nervoso, que acha Samarone feio. O cara fala umas coisas,  me chama de Guerrá,  diz que conviveu comigo, num sei o que, num sei que lá, que é tudo socialista e gosta de tomar uisque, que Samarone é roqueiro, e por aí vai. Em seguida, recebo outro zap. Outro áudio. Nesse, o sujeito além de nervoso, tava brabo. Detonou esse calejado Blog, esculhambou o coitado do Anízio,  não poupou o velho Sama e de novo, chamou tudo de socialista que gosta de uísque. Minha gente, o que uma derrota não faz. Se ao final do jogo contra o Salgueiro, aquela falta de Anderson Sales fosse gol e nós ganhássemos nos penaltis, as pessoas estariam mais calmas e a loucura estaria controlada. Mas é como diz o velho ditado, “pau na cabeça, endoida”! E deixa o cidadão vendo miragens. Vejam só. Eu da minha parte, gosto de tomar cerveja. Samarone é outro que adora cerveja, vez por outra ele toma um vinho. Anízio, esse nem preciso dizer. Basta olhar para o bucho dele que até o mais maluco da tamarineira vai saber que a onda de Anízio é cerveja. Então amigos, parem de nos acusar que adoramos uisque. Em um dos áudios, o cara falou até em um uisque chamado Bucanos. Nunca ouvi falar nessa marca. Outra coisa, a gente gosta de assistir aos jogos lá na arquibancada. Camarote é coisa de coxinha. Mas, somos todos de carne e osso e, claro, não deixamos de fazer uma farrinha com o presidente. Nossos encontros festivos são sempre regados a uma boa música, cervejas puro malte e bons petiscos. Vilanova, por exemplo, quase sempre leva seu cavaquinho e toca uns sambas. A cerveja é doação do nosso querido cervejeiro Odilon, dono do Empório Colombo. Tem de vários sabores. Os tira-gosto são obras de Inácio. Pra quem não sabe o bicho se garante na culinária. Ele faz uma picanha na cerveja da famíla “lambic”, estilo kriec, que é um negócio fantástico. Não sei porque Inácio ainda perde tempo com o Santa Cruz e querendo ser escritor. Devia mesmo era...

Leia Mais
Série C à vista.
abr23

Série C à vista.

O pior segundo tempo da década. Esta frase define bem o show de horrores que nos deparamos ontem. Gerrá me mandou a seguinte mensagem após o jogo: “Time fraco, treinador limitado e salários atrasados’. Uma pena que essa seja, infelizmente, nossa triste e dura realidade. O pior fator, creio, é esse eterno dilema que temos em pagar os salários em dia. Já estou cansado de falar em transparência no Santa Cruz. Também estou cansado de falar sobre a limitação e falta de criatividade de nosso meio de campo. Se já era fraco, com salário atrasado se torna uma desgraça. E será que tem algum tricolor coral que não esteja puto com a falta de empenho de Eutrópio em mudar algo no time durante a partida no Sertão? Fiquei com a nítida impressão de que faltou vontade – vontade geral, por parte de todos. E Eutrópio parece que capitaneou essa apatia. Evidente que não tem como não reconhecer a garra do Salgueiro e o empenho do time. O que nos faltou em vontade, sobrou ao Carcará. É preocupante ver essa realidade e pensar em nosso futuro. Se algo não for feito imediatamente, estaremos fadados a amargar um retorno inglório à famigerada Série C. Assisti ao jogo com amigos num bar na Boa Vista. Como o bairro é também reduto de estudantes do Sertão, metade do bar estava torcendo pelo Salgueiro. A outra metade estava atônita com a incompetência exagerada de nosso elenco e de nosso treinador. O segundo tempo foi a concretização de uma desgraça anunciada. O Santinha batia mais cabeça do que metaleiro no show do Sepultura. É preciso inventar um colírio para calo na vista. No final do jogo, a palhaçada de Barbio foi a gota d’água. Uma palhaçada só comparável à sua péssima atuação em todos os jogos pelo Santa Cruz. Um torcedor disse ao meu lado: “Demite esse filho da puta, porra!” Se a direção não tomar uma atitude rápida – e digo isso em termos simples, ou seja, rever esse elenco e apelar para a base ou algo que o valha dentro dos limites apertadíssimos de nossos recursos financeiros – estaremos fadados a ter um 2017 amargo. Muito amargo. Até que eu estava com esperanças. Sou um otimista nato. Mas a realidade – nua e crua – fala mais alto do que qualquer esperança. Também sou um realista nato. Vou sair agora para tomar umas e esquecer essa porra de jogo. E inventar novos palavrões para xingar esse elenco, nosso treinador, a diretoria e a presidência. Hoje, realmente, estou puto da vida. Mas sempre Santa Cruz....

Leia Mais
Que nossos sonhos se realizem
abr20

Que nossos sonhos se realizem

Quando eu soube que nosso presidente iria para coletiva, mudei a estação do rádio. Sintonizei na resenha e fiquei esperando a fala de Alírio. Fazia tempo que ele não aparecia. Mas os caras do rádio ficaram falando um monte de besteira sobre assuntos banais e o tempo ficou curto. Só deu para Alírio dizer que até o dia 30, nós teremos uma grata surpresa. “Será a realização de um antigo sonho da torcida”, ele disse mais ou menos assim. Aproveitei o engarrafamento da Avenida Norte e fiquei matutando sobre isso! Qual surpresa será essa? Qual o sonho da torcida vai ser realizado? A primeira coisa que me veio à cabeça foi o placar eletrônico. Um sonho antigo de muitos que conheço. Nem lembro a última vez que  vi um placar eletrônico no Arruda. Fiquei pensando nisto. Nesta história da realização do um sonho antigo nosso. E aí, perguntei a uns amigos e conhecidos. Choveram sonhos e devaneios. Conversei com Ivonaldo, o cara da xerox. O sonho de Ivonaldo é ver Dênis Marques voltando a vestir da camisa do Santa.. “Na verdade Dotô, eu queria mesmo era ver Marcelo Ramos, mas tenho pra mim que ele parou de jogar.Queria DM9 no nosso ataque”, ele disse. Já Danilo, me disse pelo zap que sonhava ainda com Rivaldo jogando pelo Santa Cruz. Nem que fosse apenas para encerrar da carreira. Não perguntei a Zeca. Mas pelo que a gente conversa o maior desejo do filósofo coral é transparência nas contas do nosso clube. Se por acaso a novidade do dia 30 for um portal de transparência no site oficial do Santa, tenho certeza que Zeca vai tomar uma para comemorar. Já Diego disse que com certeza é a nova marca de camisas. Que o clube agora vai ter marca própria. Como Diego é lá de Santa Cruz do Capibaribe, acho que o sonho dele é que as camisas sejam confeccionadas na capital da sulanca. A família dele ter vários fabricos espalhados por aquela cidade. Eu, o Coronel Peçonha e outros que conheço, sonhamos em ver Caça-Rato de volta. Em forma física, o Caça é melhor do que vários que estão aí. Confesso que se no dia 30, o presidente Alírio anunciasse a volta de Caça-Rato, eu iria para o aeroporto. Tem outro amigo meu, que não quis ter o nome divulgado, que sonha em ver o Santa Cruz vendido a um sheik árabe. Perguntei a Seu Agenor. O velho me disse que outro dia havia sonhado com as tricoletes. Aí é demais, né Seu Agenor? Bom, não sei o sonho de vocês. Mas espero que no dia 30, um sonho da gente...

Leia Mais