Temos que nos desapegar
jul31

Temos que nos desapegar

Texto escrito por Zeca, o filósofo-metaleiro da Boa Vista. “Ele voltou! O boêmio voltou novamente. Partiu daqui tão contente. Por que razão quer voltar?” Esta é um trecho célebre da composição de Adelino Moreira eternizada na voz do grande Nelson Gonçalves. “Ele voltou” parece ser a tônica deste final de semana. Voltamos para o cabaré, meus amigos. Antes deste fatídico retorno, Milton Mendes comentou: “Talvez vocês vejam, neste jogo, algo diferente”. Após a desastrosa derrota contra o Atlético-MG, ele pontuou: “Nossa equipe jogou dentro do modelo, estava com corpo e segura. Infelizmente, numa transição perdemos a bola!”. Por favor, alguém me responda: que porra de modelo é esse? Agora, mais do que nunca, defendo a saída de MM. Temos que nos desapegar. Foi muito bom sermos campeões pernambucanos e do Nordeste. Mas seguindo esse modelo aleatório de uma tática futebolística que muda para caralho, estamos condenados a retornar à famigerada série B. É preciso deixar o passado para lá e seguir em frente. Tudo bem, jogar contra o Galo lá dentro não é fácil. Ainda mais com Robinho jogando demais e com um erro pra lá de infantil de Uilian Correia. Mas não tem como negar que MM está mais perdido do que cego em tiroteio. Será que o modelo dele é não ter modelo? Time confuso, sem sequência tática. E o pior: as substituições quase sempre são desastrosas. A queda vertiginosa do topo da tabela para a zona do rebaixamento reflete a falta de um elenco de apoio e as doidices de MM. Não acho que o Santinha jogou bem contra o Galo. Tirando um chute de Grafite, quase só levamos pressão. O time estava confuso em campo. Se a diretoria não tomar uma decisão urgente, creio que essa pisadinha será a referência até o final do campeonato. Vamos colocar um paletó velho, um chapéu de boêmio, tomar todas e cantar até morrer. O boêmio tinha partido tão contente, esfuziante com a nova vida. Mas enquanto esse espírito de ser pequeno não mudar, o boêmio vai ter que amargar uma estada na zona. Desapega, porra. Hasta la vista, MM. Bola para frente que ainda tem muito jogo pela frente e nem tudo está perdido. Por...

Leia Mais
Coração de aço
jul29

Coração de aço

Por Zeca, filósofo, professor e metaleiro da Boa Vista.   Joseph Conrad era um escritor polonês que escrevia em inglês. Seu livro mais famoso se intitula Coração das Trevas. Narra a estória de um capitão que se embrenha pelas florestas da África em busca de um comerciante, Kurtz, que ficou doido de pedra vivendo num ambiente tão selvagem. O livro de Conrad é tão foda que virou o icônico filme Apocalypse Now do mestre Francis Ford Coppola. Aí, o caro leitor se pergunta: “Mas que porra isso tem a ver com o Santa Cruz?” Tudo. Explico-me. No post anterior, em que escrevi sobre nossa saída da zona com o espírito embevecido pela vitória contra o Inter, Gerailton Tricolor, leitor deste ilustre blog, comentou: “10 dias sem novo post! Até o Blog  está sem alma!!!”. Porra, mas não é que é isso mesmo. Parece que a torcida do Santinha, diante da tarefa gigantesca de enfrentar o Atlético-MG e o Grêmio fora de casa, caiu num marasmo de derrotismo antecipado. O coração das trevas é essa possibilidade desesperadora de retornarmos ao puteiro, digo, zona. Pior: zona do rebaixamento. Mas diante das trevas iminentes que se anunciam, é preciso entender que futebol não é uma coisa lógica. A dimensão psicológica que há por trás desse esporte é, muitas vezes, decisiva. É preferível um coração de aço do que um das trevas. Será que Milton Mendes deu uma de Kurtz e pirou de vez? Será que os boatos sobre os salários – especialmente a relação dos jogadores com o salário de Grafite – são realmente verdadeiros? Devemos desistir e imaginar que nem faremos 19 pontos na primeira fase? Tantos esquemas táticos tiraram a personalidade do time?Qual a saída? São muitas perguntas que deixo ao caro leitor a tarefa de tentar esmiuçar que porra está acontecendo com nosso time. Está na hora – mais do que urgente – de descobrirmos uma saída. E aplicá-la no mundo real. Efetivar soluções. E isso é papo de administrador. E não é para isso que serve a ciência diante da crise? Encontrar soluções? Pois, numa boa, não tenho saco nenhum de voltar para o puteiro. Digo,...

Leia Mais
Adeus, zona!
jul18

Adeus, zona!

Por  Zeca, filósofo e metaleiro da Boa Vista. Zona, puteiro, bordel, baixo meretrício, casa de Odete, casa de massagem, lugar duvidoso. Seja qual for o nome, a zona é um local bastante peculiar. Muitos se iniciaram aí ainda jovens enquanto outros dão uma escapadinha para lá para fugir da rotina de um relacionamento consolidado. Também é lugar em que os olhares mais conservadores fingem que não existe. Mas zona é zona, não tem como negar. Está lá. Basta dar uma entradinha e pronto. Ou sair. Alguns gostam tanto de lá que decidem não sair jamais. É o caso do Do Recife (a coisa) que está se sentindo muito bem entre as mulheres de vida nada fácil. Chegaram e ficaram – uma zona isso aí. Outros, como é o caso de nosso Santinha ( e vejam só que contradição misturar sagrado e profano a um só tempo) decidem dar uma passadinha lá para conhecer o ambiente. Sem compromisso, só para conhecer mesmo. Chegam como quem não quer nada, dão uma provadinha e vão logo embora porque um recinto deste quilate não é lugar sério. Pega mal ser visto saindo de uma casa dessas. Neste domingo, Tiago Costa, Marcílio e Artur se arretaram e decidiram sair da zona. O chefe Milton Mendes disse que já estava na hora de deixar de safadeza e voltar à vida séria. Tiago Cardoso, que é evangélico, estava puto com tanta putaria – desculpem o trocadilho infame. Ele não estava nada confortável naquele pardieiro. Assim, decididos e imbuídos com o espírito tricolor de guerra, nossos bravos combatentes saíram da zona. Agora, meus amigos, é importante aprender a lição. Vá lá, visitar a zona não faz mal a ninguém. Mas permanecer nela é de lascar. Até mais nunca,...

Leia Mais
O Blog do Santinha
jul15

O Blog do Santinha

Por Zeca, filósofo e metaleiro da Boa Vista. Dez anos de histórias tricolores. O Blog do Santinha, dentro do universo digital, é o local onde a putaria, a pilhéria, as lágrimas, o riso fácil, a decepção, a paixão ensandecida e a alegria mais absurda se encontram. Local, antes de tudo, de um espírito democrático incomum. No prefácio da Trilogia das Cores, Samarone assevera o inexplicável: “Fiquei pensando sobre esse mistério que é a presença do futebol na minha vida – e na vida de tanta gente. O futebol determinando alegrias e tristezas numa paixão fulminante”.  O mais incrível é como o Santa Cruz assume, em nossas vidas, esse papel absoluto, esse peso e leveza de existências marcadas por três cores e por um século de história. Samarone Lima e Inácio França comandavam a árdua tarefa de escrever continuamente – sem ganhar um tostão – sobre a maior de todas as paixões: o Santinha. O que move uma pessoa? O que alimenta suas atitudes? O que dá sentido à sua vida? Antes de tudo, a motivação e a paixão. Retire a paixão e a motivação de sua vida e você tornar-se-á um morto vivo. É a paixão que nos impulsiona, que nos leva adiante, que nos faz crer e jamais desistir. A paixão alimenta a motivação. Com a triste saída desses mestres da escrita, Gerrá assumiu as rédeas do blog com a ajuda de colaboradores. A dignidade que há por trás disso tudo é impressionante. Não foi sem uma grande alegria que recebi o convite de Sama para integrar os cronistas deste célebre, famoso e amado blog. “Zeca, não posso mais escrever no blog do Santinha. Estou na imprensa do clube agora. Inácio também não escreve mais. Eu e Gerrá estamos atrás de novos colaboradores. Topas?”, ele afirmou. Meu amigo, topei na hora. Que honra. Tenho 45 anos e escrevo desde os doze: poesia, romances, contos, filosofia e mantenho um blog – o Ars Diluvian – que trata de política, filosofia, literatura, poesia, cinema e artes plásticas. Mas escrever para um blog como este é uma experiência nova, gratificante e apaixonante. Escrever sobre futebol! O que acho mais interessante neste espaço – além da dimensão literária das postagens e do tema principal ser o próprio Santa Cruz, nossa paixão – é como se trata de um espaço democrático. A partir de uma crônica, os assuntos mais diversos são debatidos nos comentários. Cada um defende sua posição e quase sempre as discussões tem pouco a ver com o texto principal. Isso é genial. Só sendo tricolor mesmo. Prestem atenção nos comentários que se seguirão logo abaixo. Alguns poucos comentarão este texto,...

Leia Mais
Uma confraria de doidos
jul14

Uma confraria de doidos

Meus amigos, que azar! Esse Santa Cruz é pra deixar qualquer um que se meta a cronista esportivo, doido e em crise existencial. Quem danado apostaria que, com o time que entramos, jogaríamos de igual pra igual e por pouco não saímos com a vitória? Sobre o jogo, compartilho com vocês algumas opiniões de uma turma pra lá de boa de um dos melhores grupos de zap-zap que participo. Tem de tudo, nele. Comuinstas, liberais, Fora Lula, Fora Temer, Volta Dilma, Acunha, ateu, católico, apostólico, protestante, a porra toda. Todos vivendo harmoniosamente bem. Uma verdadeira confraria de doidos. Doidos pelo Santa Cruz. Bom, faz de conta que estamos numa mesa redonda e começa o bate-bola sobre a partida de hoje. Lá vai. Cronista 1: Dessa vez, MM não errou. Deu azar.  Mesmo assim, o resultado foi bom. E até podíamos ter vencido! Cronista 2: O juiz sentiu a pressão. Só deu aquela falta escandalosa em Keno porque o bandeirinha explicou didaticamente um lance que todo mundo viu. Depois deixou de marcar falta contra o Santa. No fim, deu mais um minuto que virou trinta segundos quando o Santa partia para o contra ataque. Cronista 3: MM viu que os reservas não iam abrir pro Vasco, colocou os titulares para o Vasco empatar… Minha visão! Cronista 4: Bota esse time reserva contra o América! Cronista 5: JP entrou no lugar de CHimbinha. Chimbinha tava bem. Mas quem imaginaria isso? João Paulo jogar pior do que Chimbinha? Nem Jesus. Cronista 5, de novo: O time piorou quando tirou Wellington César! Cronista 6: Quando todo mundo tava torcendo pra ganhar, o time levou um gol. Quando ninguém queria, tava lá ganhando. Isso é Santa Cruz! Cronista 6, outra vez: Gol contra de goleiro. Existe isso? Cronista 7: Negão em péssima fase. No dia q pegou tudo,  faz essa merda. Cronista 8: Levou azar … Tava bem pra Kralho … Timeco do vascú ruim demais … A gente passa sem problemas …. TRIIIII !!!!!! Fico imaginando o que não deve ter de opiniões espalhadas por aí. Cada uma com suas razões, emoções e doidices. Não fossem essas nossas maluquices, o Santa Cruz não seria o Santa...

Leia Mais